Post 1a

Hemorroidas

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

Embora a doença seja perfeitamente tratável, vale a pena investir em uma alimentação rica em fibras para ficar longe do problema

 

1 – O QUE É

Hemorroidas são pequenos vasos sanguíneos existentes na região do ânus. Elas podem ser internas (no canal do reto) ou externas (ao redor do ânus). Durante a evacuação, essas veias dilatam, mas, logo em seguida, se retraem e voltam ao tamanho o esforço físico exagerado para evacuar – seja por intestino preso ou por fezes endurecidas – provoca o surgimento delas. Nesses casos, a dilatação não cessa após a evacuação. Conclusão: as hemorroidas crescem além do normal, formam protuberâncias na parte externa do ânus e causam desconforto.

 

2 – PERFIL DE RISCO

Ainda não se sabe exatamente a causa, mas acredita-se que, além da prisão de ventre, o histórico familiar também tenha influência sobre o problema – que afeta 5% da população adulta. Homens e mulheres são atingidos na mesma proporção, principalmente entre 40 e 60 anos de idade. Gestantes correm riscos de desenvolver a doença por causa da pressão que o feto exerce sobre as veias da parte inferior do abdome. Pessoas que levam uma vida ‘ sedentária ou que estão acima do peso têm predisposição de ‘ido à baixa irrigação sanguínea no ânus.

 

3 – PRIMEIROS SINTOMAS

O principal sintoma é o sangramento provocado pelo rompimento das veias na região do ânus. Outros fortes indícios são coceira, queimação e inchaço nessa região. A coceira é provocada por inchaço nas veias, que aumenta a pressão sobre as terminações nervosas. É recomendável procurar um coloproctologista o mais depressa possível se ocorrer sangramento anal (acompanhado ou não de fezes) e endurecimento da saliência externa (chamada de “bexiguinha”) que se formou o ânus.

 

4 – DIAGNÓSTICO

O diagnóstico médico é importante porque os sintomas são muito parecidos com os do câncer de reto. As duas doenças, no entanto, são curáveis ainda na fase inicial. Para diagnosticar hemorroidas o coloproctologista examina o canal do ânus com instrumentos especiais. Durante muito tempo, associou-se o surgimento da doença à prática do sexo anal. Hoje, médicos asseguram que não há qualquer tipo de relação.

 

5 – COMO TRATAR

O tratamento depende do estágio em que se encontra a doença. No primeiro deles, ocorre um pequeno sangramento, mas ele cessa após a evacuação. No segundo, as veias chegam a sair do orifício anal (prolapso), mas logo voltam ao normal. No terceiro, as veias não retornam espontaneamente e é preciso reintroduzi-las com o dedo. No quarto e último tipo, as veias saem, formam protuberâncias e não votam. Hemorroidas dos tipos 1 e 2 são tratadas no consultório. Basta o médico aplicar u de borracha para interromper a circulação e provocar a necrose. Em apenas 20% dos casos, são necessárias cirurgias para removê-las. A doença, porém, pode reincidir mesmo em· pacientes que já passaram por tratamento clínico ou cirúrgico.

 

6 – INFLUÊNCIA DA ALIMENTAÇÃO

Uma das melhores formas de se prevenir é adotar uma alimentação saudável. A dieta precisa ser rica em substâncias que facilitam a evacuação e regulam a consistência das fezes, como cereais, frutas (principalmente mamão, pera e ameixa) e verduras (brócolis, couve e repolho). É recomendável que se dê preferência a alimentos ricos em fibras, como granola, farelo de trigo e arroz integral. Ingerir bastante líquido – algo em torno de 1,5 a 2 litros por dia de água, sucos e chás – também é aconselhável. A medicina ainda não estabeleceu uma associação entre o uso de pimenta e de bebidas alcoólicas com a doença.

 

7 – FORMAS DE PREVENIR

Fazer uma boa higiene anal após a evacuação é outra forma de se prevenir. É importante lavar a região com sabonete neutro e substituir o papel higiênico – que causa alergia e irritação – por uma toalha de algodão. Médicos aconselham que se vá ao banheiro sempre que sentir vontade, mas que só permaneça sentado no vaso o tempo que for necessário. Banheiro não é biblioteca! Se tiver vontade, use o sanitário. Caso contrário, não force a evacuação. O esforço repetitivo pode favorecer o surgimento das hemorroidas. O uso inadequado de laxantes e outros medicamentos também podem causar constipação e ajudar na formação de hemorroidas. Pomadas e supositórios não devem ser utilizados sem orientação médica. Em vez de curar, apenas aliviam os sintomas.

Posts interessantes

Autor

André Vidal

André Vidal é fisioterapeuta, formado pela Universidade Gama Filho. É especializado em Osteopatia pela Escuela de Osteopatia de Madrid e em outras técnicas.

Nenhum Comentário

Publicar Comentário

CAPTCHA


A Vidal é uma empresa jovem que nasceu com um conceito inovador, tendo como objetivo promover um atendimento diferenciado e personalizado aos seus clientes.